O Tempo de um Beijo

Quando ele nasceu, o tempo já não era o tempo. O amor era outra coisa e a vida acontecia em segundos. Seus olhos mentiam sempre, mas a voz era doce. Talvez por isso as pessoas ainda acreditavam nele. Mas não era só isso, o que ele mais queria era ser amado, amado de um jeito qualquer, amado como nos livros, como nos filmes, mesmo que durasse o tempo interminável de um beijo.

Então ele fugiu, escapou do tempo e ganhou asas, dessas que só os anjos e os pássaros conseguem. Assas douradas, brilhando como a luz do sol. Tão impossível de se ver que doía.

Um dia, voava além das montanhas, além das nuvens, além do céu e, ao longe, viu uma luz como a dele. “É ela!”, pensou, e bateu as suas asas o mais rápido possível. Mas a luz voava rápido, muito mais que ele. E ele a perdeu.

Triste e só, fez um ninho no alto de uma montanha e lá ficou. Esperando que suas asas caíssem, mas elas ficavam mais fortes, e cresciam.

No dia que olhou para o céu, no dia da mais linda tempestade, ele viu, entre as nuvens, raios e estrelas, a luz. Disparou até ela. Conseguiu vê-la. Eram asas brancas reluzentes, de beleza sem igual.

Entre as nuvens, desviando de raios, voando como o vento, ele a alcançou. Tocou em suas asas e ela parou. Trombaram. Olharam-se, observando a beleza um do outro, e esperando. Ela sorriu, e ele, sem pensar, a beijou. E, quando seus lábios descolaram, ele perdeu as asas. E despencou do alto do céu, dentro da tempestade. Nada mais importava. Feliz, ao cair do céu, viu raios, cortou nuvens, conheceu as lágrimas e chegou ao chão. Sem asas, passou a caminhar, sempre olhando para o céu.

Ventos depois, a luz desceu até ele. Era ela, linda. De asas brancas.

– Por que você foi embora? Ela perguntou com olhos úmidos.

– Minhas asas me abandonaram. Não posso mais voar.

– O que foi aquilo que você fez em minha boca?

– Foi amor. Naquele dia, eu lhe dei a verdade.

– Por isso suas asas caíram.

– Talvez.

E ela o beijou, esperando que as asas crescessem novamente. Mas nem as dela caíram.

De uma brisa nasceu um vento forte. E numa ventania ela se foi.

Ele ainda olha todo o dia para o céu.

Mas o que ele nunca percebeu, é que as asas não lhe faziam falta.

E um dia, cansado de esperar e de olhar para o alto, ele voou, mesmo sem asas.

Rêmulo Vaney Carrozzi

Sobre Remulo vaney Carrozzi

Meu nome é Rêmulo Vaney Carrozzi. Formado em Propaganda e Marketing, em Letras e com Pós Graduação em Literatura na PUC de São Paulo. Professor, quase escritor, leitor de tudo que aparece, cristão por fé e amor, questionador por nascimento (até mesmo dessa fé) e chato de carteirinha. Escrevo porque preciso, porque tem muitas coisas na minha cabeça e elas querem sair. My name is Rêmulo Vaney Carrozzi. Graduated in Advertising and Marketing, in Literature and with a Postgraduate Degree in Literature at PUC in São Paulo. Teacher, almost writer, reader of everything that appears, Christian by faith and love, questioner by birth (even of that faith).
Esta entrada foi publicada em Todo o resto com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s