Croniquinha

Que as palavras não me fujam.

Que elas gostem da minha cabeça como os lábios de um bebê no seio da mãe. E que elas respirem pelo meu peito, brilhem pelos meus olhos e vivam pelos meus dedos.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Crônicas com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s