Quase um Soneto

 

Tudo se foi na rude cruz.

No corpo morto e sem calor

A pedra movida traz a luz.

Nas lágrimas, o fim da dor.

 

Pregos marcam, na carne, a ferida.

Escorreu o sangue do vil espinho.

No milagre do céu vem a vida.

Tudo novo mostrado no caminho.

 

Na fé, o sobrenatural não se traduz.

A morte se retira, enfim vencida.

A palavra deixada nos conduz.

 

Em cada passo nasce uma flor.

Do homem que morreu sozinho.

E deixou a todos seu amor.

 

Rêmulo Vaney Carrozzi

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Poesia com as etiquetas , , , . ligação permanente.

3 respostas a Quase um Soneto

  1. Gerson Pereira Rodela diz:

    Excelente! Que essa poesia possa tocar os corações endurecidos por esse mundo que, infelizmente, tem deixado as pessoas tão insensíveis ao ponto delas não se deixarem tocar por quase nada. Mas a palavra viva de Deus continua sendo e sempre será como sol que derrete as mais sólidas geleiras.

  2. estamos123 diz:

    Incrível, professor, sensacional.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s