Espinhos

rosas-e-espinhos

Um senhor de pele enrugada e dias fartos caminhava pelo seu simples jardim quando ouviu as lágrimas de uma de suas netinhas. Ela chorava desconsoladamente, escondida atrás de algumas rosas vermelhas. O senhor a pegou no colo e a carregou até um banco.

– Que foi minha flor? Que acontece que você chora tão tristemente? – Ele enxugou as lágrimas da menina e a apertou contra o peito.

– Vovô, eu acho que o mundo está todo errado. Eu acho que Deus tinha que mudar tudo. Eu não gosto do jeito que está. – Ela tentou explicar.

– E é por isso que você chora? – E enxugou as últimas lágrimas.

A menina respirou fundo e disse: “Não”. Tomando fôlego.

– Eu choro por que eu não entendo o amor. Eu não entendo a minha mãe e o meu pai. Eles brigam o tempo todo. Se xingam, se machucam, se afastam, um faz o outro sofrer.

O senhor sentiu um peso. Uma dor no peito. Um aperto que fez o ar queimar em seus pulmões.

Suas mãos idosas e calejadas acariciaram os finos e perfumados cabelos da pequenina.

– Minha linda, minha netinha que mais parece uma delicada flor. Eu acho que a culpa é minha. Talvez eu tenha feito algo de errado. Eu acho que em algum momento eu não fui o pai que a sua mãe precisava que eu fosse. Eu devo ter falhado. Você pode me perdoar?

– Mas vovô, a mamãe já é grande e o papai também. Eles deviam saber que o amor é simples. Que o amor é dar e receber. O amor não é esperar em troca. Olha, tá vendo essa formiguinha? Olha como ela chega até a rosa. A rosa não a impede de chegar, de precisar da rosa, de amar a rosa.

O senhor observa na rosa ao seu lado a formiga que sobe pelo caule até as pétalas da flor.

– Meu amor. Olhe bem. A formiga tem que se desviar do quê?

– De nada. – Respondeu rápido a netinha.

– Tem certeza? Perguntou o velhinho.

– Dos espinhos vovô. Dos espinhos. As rosas têm espinhos. Por que as rosas têm espinhos? Perguntou confusa, a menininha.

– Tente pegar a rosa minha flor. – Indicou o senhor.

Quando a menina levou a mão a rosa o velhinho disse alto: Cuidado! Os espinhos machucam.

A menina tentou pegar de um lado, tentou pegar de outro e quando achou que podia puxar, furou o dedinho. Seu avô a consolou e chupou a ferida até o sangue parar.

– Tá doendo vovô.

– Vai passar querida. A dor vai passar.

– Vovô!! – A menina deu um pulo. Sentou rapidamente no banco saindo do colo de seu avô. – Eu tenho que avisar a mamãe e o papai dos espinhos. – E saiu correndo. Deu uns passos e voltou. – Mas vovô, o senhor me avisou dos espinhos e mesmo assim eu machuquei as minhas mãos.

– Eu acho que os seus pais sabiam dos espinhos. Mesmo sem eu ter avisado para eles.

– Foi ai que o senhor errou? Não ter mostrado os espinhos?

– Pode ser meu anjo, mas os espinhos se escondem, eles sempre estão nas rosas.

– Então não tem jeito. Meus pais sempre vão se machucar?

– Tem um jeito sim meu amor.

– Como vovô?

– Perdoar os espinhos um do outro, até que uma hora eles não doam mais.

– Huummm!!! Que estranho isso!! Que difícil!! Espinhos mágicos que se escondem. Machucam e depois não doem mais.

– É parecido com o amor.

– Mas o amor é assim tão estranho? – Perguntou sem entender a netinha.

– Depende do cravo, da rosa e do tamanho do espinho.

– Nossa! Mas talvez a mamãe e o papai não saibam disso. Vou correndo avisar.

E saiu correndo em direção à mãe e ao pai.

O velhinho olhou para as marcas nas mãos, e dessa vez era ele quem chorava.

Rêmulo Vaney Carrozzi

Sobre Remulo vaney Carrozzi

Meu nome é Rêmulo Vaney Carrozzi. Formado em Propaganda e Marketing, em Letras e com Pós Graduação em Literatura na PUC de São Paulo. Professor, quase escritor, leitor de tudo que aparece, cristão por fé e amor, questionador por nascimento (até mesmo dessa fé) e chato de carteirinha. Escrevo porque preciso, porque tem muitas coisas na minha cabeça e elas querem sair. My name is Rêmulo Vaney Carrozzi. Graduated in Advertising and Marketing, in Literature and with a Postgraduate Degree in Literature at PUC in São Paulo. Teacher, almost writer, reader of everything that appears, Christian by faith and love, questioner by birth (even of that faith).
Esta entrada foi publicada em Crônicas com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s