Conto pichado numa estação de trem abandonada

O amor te arrastou até aqui.

Ele te manteve viva por todos esses dias, por todo esse tempo.

Beijava-lhe a boca aos domingos pela manhã e à noite amava-te sem culpa ou perdão.

Mas numa segunda-feira ele te abandonou.

Você chorou por dias e dias seguidos.

E num sábado à tarde você o viu, de mãos dadas com uma criança, cantarolando uma mentira qualquer. Ele estava tão bonito, parecia tão feliz.

Mas a verdade, dessas que ficam escritas em livros de autoajuda, é que ele jamais te esqueceu.

E olhando de perto, bem de perto, você era aquela criança. E ele era tudo que você sempre sonhou.

Você então foi até ele, resgatou a criança de seus braços, esbofeteou lhe a fuça e seguiu com a sua vida.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Poesia com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s