Conto pichado numa estação de trem abandonada

O amor te arrastou até aqui.

Ele te manteve viva por todos esses dias, por todo esse tempo.

Beijava-lhe a boca aos domingos pela manhã e à noite amava-te sem culpa ou perdão.

Mas numa segunda-feira ele te abandonou.

Você chorou por dias e dias seguidos.

E num sábado à tarde você o viu, de mãos dadas com uma criança, cantarolando uma mentira qualquer. Ele estava tão bonito, parecia tão feliz.

Mas a verdade, dessas que ficam escritas em livros de autoajuda, é que ele jamais te esqueceu.

E olhando de perto, bem de perto, você era aquela criança. E ele era tudo que você sempre sonhou.

Você então foi até ele, resgatou a criança de seus braços, esbofeteou lhe a fuça e seguiu com a sua vida.

Sobre Remulo vaney Carrozzi

Meu nome é Rêmulo Vaney Carrozzi. Formado em Propaganda e Marketing, em Letras e com Pós Graduação em Literatura na PUC de São Paulo. Professor, quase escritor, leitor de tudo que aparece, cristão por fé e amor, questionador por nascimento (até mesmo dessa fé) e chato de carteirinha. Escrevo porque preciso, porque tem muitas coisas na minha cabeça e elas querem sair. My name is Rêmulo Vaney Carrozzi. Graduated in Advertising and Marketing, in Literature and with a Postgraduate Degree in Literature at PUC in São Paulo. Teacher, almost writer, reader of everything that appears, Christian by faith and love, questioner by birth (even of that faith).
Esta entrada foi publicada em Poesia com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s