Fé Cego

Sebastião nasceu cego e vive como cego há 48 anos. Nunca viu a luz, mas sonha com ela desde o dia em que abriu os olhos. Sebastião é pobre e mora com seu pai, mãe e irmã num sitiozinho afastado da cidade; uns 50 minutos de caminhada por uma estrada sinuosa.

Sebastião ajudava a sua família em tudo o que podia, tinha o sítio desenhado em sua cabeça, guiava-se pelo costume. Ainda criança, aprendia com tudo o que a visão o negava, mas era o som que mais lhe dava direção. Quando ia para a cidade com sua irmã, Sebastião caminhava com a sua bengalinha por toda parte, lentamente, rua a rua, passo a passo. Nunca arrumou trabalho: mais compensava o dinheirinho do sítio do que se matar de ser explorado. Gostava do cheiro da terra, do mato, e de ter as raízes de mandioca entre os dedos.

Aos vinte anos, sua irmã arrumou trabalho na cidade como empregada, e ganhava mal, apenas para ela mesma. Sem a irmã, Sebastião ficou mais tempo sozinho, o pai e a mãe estavam sempre ocupados vendendo o que a pouca terra lhes devolvia.

Às vezes ficava tão só que dizia ouvir vozes, como a do vento, que conversava com Sebastião quando ele passeava pelo mundo. Gostava quando o vento ressoava nas folhas das árvores, ou reverberava pelas dobras da casa. Para Sebastião, as vozes mais lindas eram as dos pássaros, canções que ele dava nome e cor. A voz dos cães eram vidros, latidos afiados que cortavam pelo mundo, e que à noite brilhavam. A voz humana que ele mais amava era a risada da irmã, tiroteio de ar frouxo, riso escapulido e riam juntos.

Na cidade, sua irmã passou a ir à igreja e, quando possível, levava Sebastião. Lá ele aprendeu que Deus podia tudo, e que se tivesse fé, Jesus o daria novos olhos e ele veria o céu.

Vinte e oito anos depois, o cego ainda acreditava que Jesus dos céus lhe abriria os olhos e o faria ver o Sol, tinha fé que ele, um dia, fugiria das trevas.

Algumas vezes ele ia sozinho para a igreja, caminhava pela estrada com a sua bengalinha e nas curvas parava, esperava passar um carro para saber onde pisar com segurança.

Andou a metade do caminho e parou, não passava mais carro, até o vento parou, o silêncio deixou tudo mais pesado. Sebastião teve medo. Ouviu um ruído e seu coração disparou, e ele temeu como nunca antes. Sons novos, estranhos, vindos de uma árvore bem à sua frente, ele ficou paralisado. Uma brisa longe desafinou nas folhas das árvores e o vento chegou dançando, sussurrando-lhe um carinho no rosto, aquecendo o suor frio que lhe escorria pela pele, trazendo a paz.

Mais calmo, deu um pequeno passo, e sem motivo, ergueu a cabeça, um líquido pegajoso caiu em seu rosto lhe queimando a face, caiu de joelhos e gritou de dor esfregando as mãos ao rosto. Devagar foi se acalmando, respirando e voltou, mas não ao normal. Encheu os pulmões de ar e gritou: “GLORIA A DEUS!! GLORIA A DEUS NOSSO SINHÔ!! EU TÔ VENDO!! EU POSSO VÊ!! EU POSSO TE VÊ, MEU DEUS!!”. E com seus novos olhos contemplou suas mãos, calejadas, machucadas, lindas. E olhou para as árvores e para a terra e finalmente ergueu os olhos e olhou para o céu. “Meu Deus!! Meu Deus desse céu tão lindo!! Meu Deus do céu que é que é isso?” Sebastião olhava atônito para o céu, e uma forma estranha pairava no ar. “Vixxi!! Será que é um disco voador, é!? Rapaz, é um disco voador, veja você…” Ainda atônito, um ruído vindo da árvore o chamou a atenção. “Eita que num é o ET?! Bichim como tu é fei!” Um ser alaranjado muito estranho parava no alto da árvore. Começou a fazer sons estranhos, ruídos, e aos poucos foi saindo: “Vixxi, você, veja, rapaz”. Sebastião se admirava: “Rapaz, que ET esperto, tá me aprendendo a minha língua!” O ser desceu da árvore e tocou em Sebastião.

– Você era cego. – Se admirou o ET.

– Era sim sinhô, e Deus mandou você. Que foi que você fez? Perguntou Sebastião.

– Isso. – E o ET cuspiu novamente no rosto de Sebastião.

– Aaaaiiiiii, caramba, pô! Quando Deus manda, não precisa dar a paulada duas vezes, isso arde muito. E se curvou com a ardência, limpando o rosto.

– Por que você era cego? Perguntou o ET.

– Ora! Por que acontece. As coisas acontecem. É a vida. Mas graças a Deus eu agora posso ver – Respondeu sorrindo Sebastião.

– Quem é Deus? Indagou o ET.

– Rapaz!? Você veio lá dos confins das estrelas do lado de lá do universo e num conhece Deus não?! Deus é o ser mais bondoso, mais maravilhoso, mais bunito, mais lindo, mais cheio de graça, mais cheroso, mais quente, mais, mais tudo, é o amor, é a paz, é a alegria, é a sorte grande, é a vida, é Deus, ET de Deus!

– E como é que eu não conheço Deus?

– Não importa. Eu falo dEle pra você. Deus manda eu pregar pra toda a criatura. E se Ele mandou você pra curar a minha cegueira era pra – VOCÊ – poder ver Deus.

E Sebastião ficou horas, dias, semanas explicando e contando sobre Deus para o ET.

Até que um dia ele partiu. E Sebastião lhe deu presentes e disse:

– Oi, laranjinha, manda seus amigos ETs aqui que eu tenho muito o que falar pra Eles! Vá com Deus!!

E o ET se foi.

Sobre Remulo vaney Carrozzi

Meu nome é Rêmulo Vaney Carrozzi. Formado em Propaganda e Marketing, em Letras e com Pós Graduação em Literatura na PUC de São Paulo. Professor, quase escritor, leitor de tudo que aparece, cristão por fé e amor, questionador por nascimento (até mesmo dessa fé) e chato de carteirinha. Escrevo porque preciso, porque tem muitas coisas na minha cabeça e elas querem sair. My name is Rêmulo Vaney Carrozzi. Graduated in Advertising and Marketing, in Literature and with a Postgraduate Degree in Literature at PUC in São Paulo. Teacher, almost writer, reader of everything that appears, Christian by faith and love, questioner by birth (even of that faith).
Esta entrada foi publicada em Contos com as etiquetas , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s