Cinzas

categoria_paisagem_oceano_e_flora_-_o_despertar_fotografada_pelo_chileno_francisco_negroni_no_chile

Então eu vi queimar, tudo virou cinzas que o vento levou tão linda e docemente. Tudo queimado até o final, do entardecer ao nascer do outro dia. Mas nada havia acabado. Nem a dor, nem a esperança. A casa, aquela que testemunhou todo o meu tormento, queimou; virou cinzas e foi levada pelo vento.

Então eu parti, depois que o último grão de areia ficou livre da última cinza. Nada mais havia ali pra mim. Dei as costas aquele espaço vazio e fúnebre. Deixei algumas lágrimas tolas rolarem, elas nunca me ajudaram em nada, só me denunciavam.

Depois de dias na estrada, sem água e nem comida eu desejei comer as cinzas, mas o sol esquentava a minha carne até que eu secasse, até que eu morresse. Mas sou feito de pedra e gelo. Sou coberto de pó e angústia.

Sou o deserto.

Não morro como as flores. Morro como as pedras.

Comi a chuva e bebi o vento, e a areia me acariciando os cabelos me consolou. Fez parte de mim a terra. Escura e azeda, vital. Numa caverna deitei por uma noite e acordei mil anos depois.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Todo o resto com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s