Arquivo de etiquetas: Morte

Idruk Nalya

O mar foi profanado. As ondas cessaram. Não há mais marola. Não há mais espuma. As marés não existem mais. A água está amarga e venenosa como a lágrima. Na praia não há vento nem calor, só o espanto. Nunca … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Etiquetas , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Cinzas

Então eu vi queimar, tudo virou cinzas que o vento levou tão linda e docemente. Tudo queimado até o final, do entardecer ao nascer do outro dia. Mas nada havia acabado. Nem a dor, nem a esperança. A casa, aquela … Continuar a ler

Publicado em Todo o resto | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

A Caveira e a Rã

Às vezes, sou levado de volta lá, sinto o sol bater firme na minha cara; a garganta ficar seca daquele deserto amarelo. A cidade dourada de antigas pedras que desenham torres de catedrais. E o peso do mundo no meu … Continuar a ler

Publicado em Todo o resto | Etiquetas , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Um ano nove meses e dezesseis dias

O deserto. Com a dor, o deserto te invade, tudo é o deserto. Fica-se sozinho. A morte e o abandono te enterram. A dor é tão forte que se deseja o deserto, só ele conforta. Fica-se tão só que aqueles … Continuar a ler

Publicado em Crônicas | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário